'pelo bem do brasil, que a história de gabriel bernini esteja só começando' 
(céu, novembro de 2021)

gabriel bernini (wikipédia) nasceu em curitiba, em junho de 1998. desde criança, tem nutrido paixão por cantoras; quando começa a colecionar discos de vinil no início dos anos 2010 e descobre-se então um cidadão latino-americano – descoberta essa que ainda é alheia para grande parte dos adultos do brasil –, passa a desenvolver trabalho de preservação & reverberação de vozes de artistas femininas de seu país.


além do selo, grupo e podcast amigues do vinil, projeto reconhecido nacionalmente durante a pandemia de covid-19, bernini é autor do livro 'ondas sísmicas: 90 discos de cantoras brasileiras do séc. 21', financiado via catarse entre junho e agosto de 2021. o projeto, que vendeu mais de 400 cópias durante o período de pré-venda, foi considerado pioneiro pelo 'tenho mais discos que amigos' e eleito um dos livros do ano pela revista balaclava. foi, ainda, tópico de discussão em veículos como g1 pop & arte, papel pop, revista noize, disconversa, hits perdidos, revista artemísia e biblioteca pública do paraná, que convidou o autor para uma imersão em seu canal no youtube. ondas sísmicas foi relançado em 2022, com arte inédita de kiko dinucci e participação de laura lavieri, paula pretta e iara rennó.

   'ondas sísmicas", do queeride y atencioso gabriel, é uma obra necessária y urgente para o nosso aqui y agora - especialmente por não diminuir o gênero feminino às 'ondas CIS-micas'.
(laura diaz [carneosso], fevereiro de 2022)

'muito importante estarmos presentes e documentadas na história da arte e da cultura desse país. agradeço imensamente por ter se encontrado com o meu trabalho e achar que ele faz parte desse material'
(liniker, agosto de 2021)

'seu trabalho tem muita consistência e paixão'
(livia nery, setembro de 2021)

'um olhar sensível para as produções de nossos tempos'
(yma, setembro de 2021)

'trabalho incrível e importante'
(joana queiroz, novembro de 2021)

'um livro lindo, necessário & amoroso'
(lara aufranc, dezembro de 2021)

'escreve muito bem'
(letrux, dezembro de 2021)

em 2022, o livro 'ondas sísmicas' foi desdobrado para um vinil, em formato de coletânea, lançado pelo selo carioca romaria discos, encabeçado pelo colecionador nicholas lopes. 'ondas sísmicas: 10 canções de cantoras brasileiras do séc. XXI' vendeu 120 cópias nos primeiros 3 meses e obteve uma presença midiática mais robusta, com aparições no g1 pop & arte, revista rolling stone e som.vc (mídia ninja). 

'o que seria cantar o brasil? o que será o brasil? essa pergunta não quer calar.. país do futuro ou país da exploração? eu gostaria de cantar como as mães originárias da terra, que conhecem e respeitam a natureza e seus mistérios.. e talvez no brasil atual esse seja o maior desafio!'
(mãeana sobre o show ondas sísmicas, maio de 2022)

'obra de cura e renovação em tempos de caos, orquestrada pelo apaixonado pesquisador musical gabriel bernini - que, durante o processo de criação e coragem, vivenciou tentativas de boicote, discriminação e ingratidão, neste momento em que já vivemos escassez e descaso.'

(paula pretta, abril de 2022)

cartazes do designer carioca caio paiva para o show ondas sísmicas
gabriel bernini é publicitário formado pela ufpr (2016-2019), com passagem pelo programa kake-takahashi 2017 no japão. atua como jornalista, produtor cultural e assessor de imprensa, tendo passagem pelas agências nossa causa, candy shop, bordoms e ollga. já orquestou projetos e trabalhou com antonio neves, ana frango elétrico, selo risco, tika, kika, laya, malu maria, flavia k, fernanda branco polse, sophia chablau & uma enorme perda de tempo, MEL, teto preto, mãeana e outros. reside em são paulo, sp.

'a paixão de bernini nos traz clareza. eu louvo e agradeço.'
(laura lavieri, abril de 2022)